CEDAV

Seja bem-vindo(a) ao CEDAV!

Blog

Vamos falar sobre a incontinência urinária?

No Brasil, cerca de 10 milhões de brasileiros enfrentam diariamente algum grau de incontinência urinária. Esta condição atinge 45% das mulheres e 15% dos homens com mais de 40 anos, de acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU). No entanto, muitas pessoas hesitam em procurar ajuda médica devido à vergonha associada a essa condição. É hora de desmistificar a incontinência urinária e promover a conscientização sobre sua prevenção e tratamento.

O que é incontinência urinária?
É a perda involuntária de urina. Pode variar de pequenos vazamentos a uma incapacidade total de controlar a bexiga.

Quais são as causas?
A incontinência urinária pode ser causada por uma variedade de fatores, incluindo enfraquecimento dos músculos do assoalho pélvico, danos nos nervos, condições médicas subjacentes e certos medicamentos.

Quem pode ter?
Qualquer pessoa, independente da idade ou sexo. Desde crianças até idosos, homens e mulheres podem enfrentar esse desafio de saúde.

Como diagnosticar?
Para obter um diagnóstico, é fundamental buscar a orientação de um médico urologista. O profissional realizará uma avaliação completa, que pode incluir perguntas sobre histórico médico, sintomas e exames físicos. Além disso, o médico pode solicitar exames complementares, como a ultrassonografia, que é um dos principais métodos para diagnosticar a incontinência urinária.

Tem tratamento?
Sim, a incontinência urinária é tratável. As opções de tratamento podem incluir terapias comportamentais, como exercícios do assoalho pélvico e técnicas de reeducação vesical, além de medicamentos, dispositivos médicos e, em alguns casos, intervenções cirúrgicas.

Não tenha vergonha de procurar ajuda! A incontinência urinária é mais comum do que você imagina e pode ser tratada. Procure um médico hoje mesmo.

Veja outros artigos

Conheça os riscos da hipertensão

A hipertensão, se não tratada, ao longo do tempo pode causar sérios problemas cardíacos, como infarto, insuficiência cardíaca, arritmias, Acidente Vascular Cerebral (AVC), hemorragias oculares,

LEIA MAIS
×